Africa Innovation Summit - Herman Chinery-Hesse, também conhecido como o “Bill Gates de África”

Edição 637: 12 de Fevereiro 2014

Nesta edição 637, o Expresso das Ilhas chama para manchete uma entrevista conduzida por Rosário da Luz ao ganês, e politicamente incorrecto, Herman Chinery-Hesse: “O interesse do Banco Mundial pelo sector privado africano não passa de uma grande mentira”.

Herman Chinery-Hesse, também conhecido como o “Bill Gates de África”, é considerado um dos 100 pensadores globais pela revista norte-americana Foreign Policy Magazine e enquanto empresário colecciona vários prémios, tanto nacionais como internacionais. Em 1991, Chinery-Hesse fundou a theSOFTtribe, uma das empresas líderes no mercado africano de software. Em 2008 foi um dos co-fundadores da Black Star Line, empresa pioneira nos ramos do e-commerce e do e-payment e prepara-se agora para lançar a plataforma shopafrica53.com. É um orador reconhecido e já foi convidado para dar palestras na Universidade de Oxford ou na Escola de Negócios de Harvard, só para referir duas das mais conhecidas instituições a nível global, já apareceu também como comentador na CNN, na BBC e na Al Jazeera. O Expresso das Ilhas aproveitou a sua passagem por Cabo Verde para entrevistar este empreendedor que não tem medo de ser provocador.

Ainda nesta edição; Jorge Spencer Lima – presidente da Câmara do Comércio do Sotavento: O pior da crise ainda está para chegar. Dentro de um mês será chegado o momento do sim ou sopas para o ambiente de negócios cabo-verdiano. A partir da próxima semana, comissões mistas, formadas por empresários e governo/administração pública, vão começar a discutir uma série de questões com o objectivo de melhorar o funcionamento do sector privado nacional. Dentro de trinta dias terão de apresentar resultados até porque, avisa o presidente da Câmara do Comércio do Sotavento, o pior da crise ainda está para vir. Numa palestra, realizada ontem à tarde no Instituto Superior de Ciências Económicas e Empresariais, Jorge Spencer Lima deixou também um aviso para os sindicatos: é com os empresários que têm de dialogar e não com o governo.

Chamada de primeira página também para a reportagem: Estudar na China. A China chama cada vez mais estudantes de todos os pontos do mundo. Chegam aos milhares atraídos pela qualidade das Universidades e outros estabelecimentos de ensino chineses, por uma cultura ancestral que coabita com a modernidade asiática e por uma economia dinâmica e crescente que abre oportunidades em grande escala. A nível de estudos superiores, a China está na moda e Cabo Verde não foge à tendência.

Ainda em destaque; Aidan Eyakuze: “Sem investimento nos jovens africanos teremos graves problemas”. Uma entrevista/conversa com o ‘sonhador’ e ‘futurista’ natural da Tanzânia. Formado em economia, Aidan Eyakuze trabalhou como consultor, passou pelo sector financeiro e agora é um pesquisador especializado na integração regional dos países do leste africano, mas também estuda questões sociais, de desenvolvimento e programas de financiamento. É uma das vozes do continente que chega a Washington quando é necessário tomar decisões e na semana passada esteve em Cabo Verde onde participou no Africa Innovation Summit.

Também na primeira página; Para apoiar artesãos e artesanato em Cabo Verde foi lançado na Praia Projecto CRIE.

Ainda em destaque; Lucas Privitera bate com a porta: Seleccionador nacional de voleibol está demissionário

No interior, a opinião de Mário Silva, Amílcar Spencer Lopes, José Almada Dias e Casimiro de Pina.

quarta, 12 fevereiro 2014 02:25
Publicado em Edição Impressa